Canela de Verso e Prosa Pela Estrada


Beijo de rio e mar, encontro das águas. Banhar-se nem sempre significa limpar... tantas possibilidades residem na simplicidade desse verbo. Dá a mão ao fluir. Esparrama entrega. Alquimiza. Abre os poros dos sentidos. A tendência às muralhas nas conceituações semânticas apequenam o ser humano, que deveria chamar-se, nada à parte, natureza. Ser natural. Ser em si mesmo.

Diga-me, aonde se vai no corre-corre se nem mesmo uma quebra de onda se supõe prestes a beijar a areia? E os desvios dos cursos doces, em algum momento se acreditam rumo à imensidão do oceano? Liberto-me das margens, escolho confluências. Não vejo no sol nem na lua qualquer tic-tac, apenas iluminações complementares. Deito n´águas. A música do fluir toca meu corpo.

Inteiro é um grão de areia. Areia não pode ser restrita à deserto; além, tem da leveza de transportar-se por ventos e brisas. Grão leva a fertilidade do que floresce ou alimenta. Água é percurso, cupido de inteiros. Entre sal e doce, a convergência dos sabores no integrar-se. Banhar-se em beijo. Beijo entre naturezas.



Palavras Caminhadas por Cris Ebecken às 18h48
[   ]




RETICÊNCIAS N´ÁGUAS 

Tempo só de dizer

lhe escrevo sempre no pensamento.

E reescrevo nas linhas dentro das suas letras

o percurso dos dedos mapeando caminho

- o pensar deságua pelo remo dos quereres.

Desse lado da praia, pescando seus ares,

traço rotas na areia. Dissolvo a pequeneza das margens,

acendo sol no farol do sentir (que te guie).

Sopram ventos em carinho...

enquanto me escrevo

te chego

- mesmo em pensar, mesmo todo dia.



Palavras Caminhadas por Cris Ebecken às 23h47
[   ]




DA RAIZ À COPA

No pátio do meu colégio tinha um bambuzal. Tinha não, até aonde me vai o conhecimento ainda existe por lá... embora não possa garantir por já há muitos anos ter cruzado os portões para o mundo e nunca mais retornado. Quando bem pequena, brincava de me esconder, atravessando a pequena trilha por seu meio, minha floresta mágica gigante e pequenina. Um pouco maior, era o pique-pega e o pique-esconde. Maiorzinha, a corrida de bater nos meninos... sim, bater; nós meninas adorávamos estapeá-los, embora alguns poucos conseguissem nos escapar pelos bambus, e não pela imensidão de areia do pátio. Como meninas e meninos crescem, e naturalmente pulsam os olhinhos aos pares, mais um pouco à frente no tempo, o bambuzal tornou-se refúgio feminino de confidências do "gostar do". Mais tarde, como tudo na natureza une e integra, veio a ser o espaço do todos juntos, prosas e mais prosas observando o azul do céu, rodinhas de violão, descobertas dos hormônios, dos significados, e dos olhos.

Posso com toda certeza dizer: há muito daquele bambuzal e seu barulho de paz reboliçante ao vento em mim. Das recordações significantes, o envolvimento com a poesia, falas afetivas, sonhos germinados... desde lá a tal língua da arte formando elos, inspirando encontros, movendo buscas. Também posso reconhecer, com certa vergonha, ter passado tempos perdida da minha essência bambulina. Mas foi o libertar-me das grades mundanas que me trouxera de volta aquilo que naquele tempo já era o pulso da minha seiva. Justamente por agora, com a fé turva e pouca visibilidade sobre os caminhos, com tantos ventos soprando e uma única certeza ao peito, a vida, arteira que só ela, como quem rega um bambuzinho resistente ao abandono, deu-me um reencontro. Ser puro, doce e fluido, adulto, é da arte de ser bambu.

No pátio da minha vida tem um bambuzal. Cada toque entre folhagens é expansão dos sentidos. Raízes se encontram na terra criando espaço de laços sem pré-formas a se identificarem em pertencimento. Um vento sopra de lá, outro vento sopra de cá, encontro. Renascimento. Brincar de se permitir. Receber trilha do viver. Parear gostares. Fortalecer significados entre olhos... flores-crescer. Integrar-se à natural natureza a que se veio. Escola do pátio do livre ser em encontro. Gigante floresta das pequeninas descobertas mágicas.



Palavras Caminhadas por Cris Ebecken às 15h28
[   ]




Entre Chá de Camomila com Erva Doce e Pés de Páginas:

Fragmentos Rejunte

"Buscava alcançar uma sintonia entre o espetáculo movimentado do mundo, ora dramático ora grotesco, e o ritmo interior picaresco e aventuroso que me levava a escrever. Logo me dei conta de que entre os fatos da vida, que deviam ser minha matéria-prima, e um estilo que eu desejava ágil, impetuoso, cortante, havia uma diferença que eu tinha cada vez mais dificuldade de superar. Talvez que só então estivesse descobrindo o pesadume, a inércia, a opacidade do mundo - qualidades que se aderem logo à escrita, quando não encontramos um meio de fugir a elas.

Às vezes, o mundo inteiro me parecia transformado em pedra: mais ou menos avançada segundo as pessoas e os lugares, essa lenta petrificação não poupava nenhum aspecto da vida. Como se ninguém pudesse escapar ao olhar inexorável da Medusa.

O único herói capaz de decepar a cabeça da Medusa é Perseu, que voa com sandálias aladas; Perseu, que não volta jamais a olhar para a face de Górgona, mas apenas para a imagem que vê refletida em seu escudo de bronze. Eis que Perseu vem ao meu socorro até mesmo agora, quando já me sentia capturar pela mordaça de pedra - como acontece toda vez que tento uma evocação histórico-autobiográfica. Melhor deixar que meu discurso se elabore com as imagens da mitologia. Para decepar a cabeça da Medusa sem se deixar petrificar, Perseu se sustenta sobre o que há de mais leve, as nuvens e o vento; e dirige o olhar para aquilo que só pode se revelar por uma visão indireta, por uma imagem capturada no espelho. Sou tentado de repente a encontrar nesse mito uma alegoria da relação do poeta com o mundo, uma lição do processo de continuar escrevendo."

"Apenas, talvez, a vivacidade e a mobilidade da inteligência escapam à condenação"

"(...) o conhecimento do mundo é a dissolução de sua compacidade"

"(...) a leveza é algo que se cria no processo de escrever, com os meios linguísticos próprios do poeta, independentemente da doutrina filosófica que este pretenda seguir."

Italo Cavino, Seis propostas para o próximo milênio



Palavras Caminhadas por Cris Ebecken às 01h35
[   ]




 Tudo fazia-se aviso: revelações a caminho. Mas nada lembrava: revelações vêm por encontros. Encontros são caminhos, essa é a verdade. Quanta autenticidade supõe ter a vida? O dia que algo for, de fato, por acaso, talvez seja preciso nascer de novo... 



Palavras Caminhadas por Cris Ebecken às 17h38
[   ]




BOTANA

Não tenho a ousadia de dizer-me grande,

sou pequenininha do tamanho de um botão.

Se o desejo é crescer e vir a ser gigante?

Também não sinto ser desses requintes.

Mas, verdade seja clara, como semente

que me entendo, me seria ouro germinar-me.

- Pecados sagrados da natureza, transgressões humanas demasiadas.

Sei... Essa luxúria é tão esquisita, essa gula é tão desatinada,

que dá da ira a mais invocada

pensar do risco de viver à margem, esquecida.

Quem sabe um anjo, é, desses bem romanceados,

veja em minha pequenez uma giganteza?

Quem sabe deus vestido mesmo de diabo

me sopre as velas sobre águas realizáveis?

Aceitarei botão a costura das linhas.

Aceitarei de coração ser encontrada.



Palavras Caminhadas por Cris Ebecken às 13h48
[   ]




POR HERMES ENTRE LINHAS

Que a luz do fio que conduz

não recue ao escuro

ou ao mero passo da dúvida,

e dentro daquilo escrito na história de dentro

sempre me lembre:

linhas minhas, linhas tuas.

Que não mingue à prova

a força feijão com arroz de sempre,

o leite sustento da vida,

no colo órfão sozinho das horas.

Cada gene carícias da infância

carrega a medida a que se veio.

Cabe, apenas, esse se desdobrar,

o fazer o que se é, seguir labirintos,

encontrar chaves e portas...

O resto, simplesmente,

é das linhas do Tempo.



Palavras Caminhadas por Cris Ebecken às 18h53
[   ]




EM BRASA

Ardem os olhos

em certezas incertas

e incertezas certas.

Queimam como tudo a chama

dos batimentos de dentro

e das batidas de fora.

Tantos caminhos em malabarismos,

nada revela a precisão das horas

aonde tudo é chama que chama,

aonde tudo é chamado e brasa

e por queimar-se em tudo é nada

e nada é o simples princípio do tudo.

Essa arte de arder é incendiária,

sol d´água que derrama, inflama,

fogueira de oceano sem beira.

Meus olhos ardem...

brasa de flores brotadas da vontade.



Palavras Caminhadas por Cris Ebecken às 00h29
[   ]


[ ...passos anteriores... ]

 
Tempos Caminhados
  01/04/2008 a 30/04/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/02/2008 a 29/02/2008
  01/01/2008 a 31/01/2008
  01/12/2007 a 31/12/2007
  01/11/2007 a 30/11/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/07/2007 a 31/07/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007


Janelas a Volta
  Impressões
  Sonhos do Mundo
  Sophia Lírica
  Quem Sou Essa
  Outra Parte
  Mais Cenas
  Afrodite sem Olimpo
  Expressoes Letradas
  EduMMF
  Pseudônimos
  Feminino Plural
  Via Tarot
  Pitacos
  Arte Reflexa
  Vadiando
  Zoe Tarot
  Palavra de Pantera
  Dias de Voragem
  Doce Rotina
  Coisas que somos
  Outros lados
  Os olhares de Tati
  Das coisas que...
  Nandita
  Dançando na chuva...
  A vida não tem...
  Fao Cartas
  CabocloPunk
  Super Diário da Mari
  Germina Literatura
  Amargando Felicidade
  O Pátio
  Crônica do Dia
  Sachet
  Perto do Coração...
  Releituras
  Versos de Falópio
  Escola Lucinda
  Poesia Mix
  Glad
  Chicas
  M-Música
  Sonekka
  Camenietzki
  O Teatro Mágico
  Ceumar